“Eu creio”. Como assim?

Sobre a criação
Deus é o criador de tudo! Deus soprou a vida e a vida aconteceu e neste episódio toda história se teceu e com o sangue rubro vertido nesta explosão de vida, toda vida permaneceu emulsionada e assemelhada com o doador da vida. Após isso, ou melhor, paralelamente, tudo se existencializou num súbito eqüidistante entre a vida e a sua existência.
Sobre Deus
É o artesão que usa seu próprio DNA para criar e que após a criação, ‘tudo’ permanece em suas mãos e esse ‘tudo’ expressa tudo que há e tudo mais que haverá de existir. Nele, tudo acontece, tudo nasce, tudo cresce e tudo pode passar a inexistir.
Sobre Jesus
É a epiderme da eternidade; é o caminho.
Sobre o Espírito Santo
É a voz do eterno que se configura num Ser e em cada coração humano e que ganha por nós, uma pessoalidade. É voz audível a consciência e nem sempre aos ouvidos. Fala com o ser humano e não com o crente.
Sobre a evolução das espécies
Sim, é verdade. Somos poeiras da estrela da manhã. A espécie evoluiu, diferentemente de nossa natureza - involução de geração em geração. O conhecimento humano é limitado desde o dia em que o seu espírito e carne se conectaram em alma vivente. Desde quando houve um auto-manejamento do conhecimento, como infração num dado momento da narrativa humana - o orgasmo psíquico em se ter uma consciência auto-perceptiva, tentadora e endeusadora – o comer do “fruto proibido”.
Sobre a Trindade
Um chute – levando em conta a nossa poeirice – provisoriamente apropriado para explicar a dimensão do Eterno.
Sobre o ‘céu como destino do crente’Já estamos nele se levarmos em conta que a vida já aconteceu diante dele (‘Porventura não fez a minha mão todas estas coisas?’), que já habitamos em suas mãos e apenas ficou ‘pendente’ a eternização do corpo e do espírito; da nossa alma; da nossa consciência; da nossa existência.
Existe salvação fora da igreja?
Nada existe fora da salvação. A salvação de Cristo é a reconciliação com toda criação. A tentativa de acampar fora do teto reconciliador é uma automedicação com a pílula da extinção e com o chá de sumiço. Nada subsiste um cúbico de perímetro sequer fora desta salvação.
E os filhos da perdição? E o inferno?
Quando Jesus disse que era o único caminho ele não quis dizer que era uma opção. Fora dele, não há caminho, não há salvação. O que, supostamente, há fora dele é apenas uma miragem temporária; nada há, nada existe. Andar fora do caminho, não é nada além de um descaminho.
Descaminho não é outra coisa, além de inexistir e como disse João, o fim não é um inferno (bem no estilo de Dante Alighieri), o fim é o ‘fogo’ que ‘consumirá tudo aquilo que não foi achado no livro da vida’, ou seja, o fim é o fogo que consumirá todo aquele que achou que descaminhar era encontrar outro caminho sendo que apenas escolheu a autodescontrução de vida e existência (‘Eles se dissipam como a fumaça, como a cera que se derrete ao fogo. Assim perecem os maus diante de Deus’.)
E a discussão “Livre arbítrio vs. predestinação”?
Fico com a Norteña. E o resto é bullshit.
Sobre casamentoUma escolha, um compromisso, um cuidado, uma amizade - veladas pelo nobre sentimento: amor. Pré-requisito para delegar funções eclesiásticas.
Sobre sexo
Dádiva ao seres feitos sexuados para gozarem da arte de conceber, copular e excitar com outrem em seus leitos de amor e compromisso mútuo. Cisma milenar daqueles que ejaculam paranóias. 

Sobre pecado
Faz parte da composição do Homem, porém em Jesus, somos justificados perante aquele que é perfeito.
Sobre santidade
Não é a nossa labuta frenética em não pecar que nos torna santo. Santidade é o recebimento individual do perdão e da justificação. É a coroa da graça sendo traduzida em cada ser de maneira que ela mesma, ‘a graça, me basta’. Aquele que resiste a tentação ou alguma prática concupiscente, assim o faz porque tem a graça nos poros e não porque somente chegará até Deus dessa forma. É Deus em sua desmedida grandeza costurando tudo e batizando em santificação os escolhidos na convergência que se dá através do sangue de Jesus Cristo.
Sobre oração
Oração é um estado de vida, espírito e consciência de que se já está nos átrios de Deus a todo o momento e toda a presença de Deus está dentro de si e que cada olhar humano cheio de amor de Deus para vida como reação de cotidianidade é a oração constante em vias de comportamento, atitude e reação. A oração constante inclui o momento devocional em que geralmente fechamos nossos olhos e dobramos nossos joelhos, porém, essas indispensáveis orações devocionais apenas fazem parte como um momento, um período, um ato de “entrar no quarto, trancar a porta” e em se tratando de um momento, obviamente que a oração constante não se resume nisso.
Sobre o Apocalipse
Como diz a velha música pentecostal: “No trono branco está, tudo se agitará, com a presença do Senhor que fez a terra e o mar. Tudo se prostrará, tudo derreterá. Tudo que o homem fez na terra se desmanchará. A terra fugirá, o céu se enrolará, a terra e o mar prestarão conta dos seus mortos, mas a Igreja comprada com sangue, lavada por Jesus amparada está.”
Como canta Caetano Veloso: “E as coisas que eu sei que ele dirá, fará, não sei dizer, assim, de um modo explícito e aquilo que nesse momento se revelará aos povos surpreenderá a todos, não por ser exótico, mas pelo fato de poder ter sempre estado oculto, quando terá sido o óbvio”.
Sobre a instituição religiosa
A boa instituição é aquela que diz que a única escalada rumo a algum ponto do apogeu existencial, é a escalada para chegar ao melhor de si, para que Deus se achegue e habite em cada ser; é aquela que entende que não comporta todos os filhos de Deus, porém reconhecem os “filhos da paz” nos quatro cantos da Terra; é aquela que entende que ela não é fábrica dos filhos de Deus, apenas reúnem alguns.
Sobre a Bíblia

Uma ogiva na mão do bibliólatra e um presente na mão do homem sensato.
Sobre missão
Missão é anunciar a boa-nova com a própria vida, em qualquer lugar, em qualquer situação, sem discurso de adesão e sem adulterar aquilo que não revela morte, que não indicia nada que comprometa a vida e nada que entristeça o espírito do Homem e de Deus. É transmissão de alegria, de paz, de justiça, de amor sem interesse e leviandade. É prestar socorro, é matar a fome do corpo e do espírito, é sarar feridas.
Sobre arte
A arte é a suor da vida. A Arte nos mostra como somos. Deus nos mostra quem somos.
Sobre música
Minha vida sem música é como um sino que não tine. Música é, antes de tudo, uma arte milagreira, pois ela é capaz de produzir, segundo a cada "idiossincrasia musical" e a cada dicernimento de expressão musical, o nosso próprio milagre artístico, o nosso próprio fruto de gosto, tendência e estilo.
Sobre línguas estranhas
Creio no fenômeno e não no movimento. Há um movimento, uma escola, uma indução, uma didática.
Sobre diabos
Eles existem. E eles não são só humanos não.
Sobre anjos
Eles existem e se disfarçam de homens.
Sobre amigos
‘Amizade é o vinho da vida’. ‘O reino de Deus é um reino de amigos’. A amizade é pré-histórica. Os homens-de-neandertal já lascavam pedras, juntos!
Sobre a vida
“Quem sou” está intrincado com quem ‘estamos sendo’ nesta esfera de ligação humana. Somos irmãos siameses que recebem o mesmo sangue de vida num invisível cordão umbilical. É de nossa responsabilidade amar o próximo como a nós mesmo, provando na própria vida a ‘razão para viver’, pois o sentido da vida está em viver enquanto se vive e quem vive coletivamente, já descobriu tudo: Somos um, Viemos do Um, E assim seremos: Um!

Até a próxima!

2 comentários:

Jota disse...

Cara, muito, muito bom! Parabéns. Assino em baixo. Abs!

Moisés Lourenço Gomes disse...

Valeu, J

Abraços!