O evangelho que não é Evangelho






Alguém já lhe fez a seguinte pergunta: “Se Jesus estivesse entre nós, Ele freqüentaria as nossas igrejas?” Se você for honesto, no mínimo iria dizer que Deus entraria muito irado em sua igreja. Não tem jeito. Não há exceção. Deus sairia das igrejas e iria ao parque do Ibirapuera ou qualquer espaço para agregar os congregados e os segregados das igrejas e também, para fazer direito aquilo que não aprendemos fazer sem doses de proselitismos, sensacionalismos, e mentiras. As grandes falácias da maioria das igrejas afirmam que:

- “Deus nos instituiu como corpo, logo, tem-se de eliminar os abrolhos”.Com isso, deliberam regras convenientes e severas ao invés de conhecer e respeitar a importância dos variados “órgãos” e “membros” de seu corpo, cada um com sua funcionalidade, característica própria, formatos assimétricos, e que mesmo assim, a despeito de toda a diferença, não rejeita o mesmo sangue vital que circula em todo o corpo. E mais, em nome da “unidade”, muitos parametrizam todo o corpo como se a unidade de Cristo fosse um remanejamento robótico e uniforme em que todos os “membros” tivessem de sujeitar-se à apenas uma função, um formato e uma característica. Ledo engano. Na verdade isto deixa de ser corpo orgânico e tornar-se um corpo sintético.

- “Quem não é por nós, não é por Deus”.Muitos se tornam cabeça deste corpo, por agir como cabeça, ou seja, eles tornam o organismo, autônomo e totalmente desvinculado com quem realmente deveria ser a cabeça. O que se ganha com isso? Um pseudo-evangelho que afirma coisas em nome de Deus sem ser de Deus e que suscita obediência à base do “porque, sim” e sacrifício de tolo para agradar a comunidade (que por sua vez, tem dificuldade de amar e compreender muitas coisas), porém é totalmente alheio a Deus.

- “Está escrito”.
Muitos viajam na maionese e constroem verdadeiros arranha-céus de (maus) tratados teológicos. Têm a bíblia como os católicos têm a virgem Maria. Adoram a bíblia como se fosse a 4ª pessoa da quadrinidade. A bíblia deixa de ser o ímpar livro que traz a narrativa entre Deus e o Homem, para assumir essa deidade, que “aprova” coisas que Deus nem tem conhecimento. rsrs Acusam e maltratam pessoas com o dedo na bíblia. Segregam pessoas, como fizeram as igrejas evangélicas e católicas com suas hermenêuticas cristã-diabólicas durante muito tempo em relação ao negro como “povo não escolhido”, “povo amaldiçoado”, “povo sem alma”. Generalizam tudo. Fazem uma leitura tão deficiente que os inviabilizam de agir com amor, respeito, perdão e tolerância. Criam estatutos, regimentos internos, normas, cláusulas, constituição, totalmente arcaica, discrepante e inflexível. Esquecem que Jesus é Palavra viva e que a bíblia contém partículas em relação ao próprio verbo encarnado. Sendo a palavra, a verdade e o caminho, o próprio Jesus, a obviedade de que se há mobilidade, compaixão, flexibilidade e relacionalidade e tudo mais que não seja rígido, só não é entendida e vista por quem não conhece o longo alcance dessa Luz etérea e eterna. Muitos têm a bíblia como um livro de código penal. Agem como advogados bitolados nos parágrafos e brechas da lei e acabam se esquecendo que Jesus é a própria palavra, o próprio advogado e o próprio juiz.

Adendo: a deidade da bíblia é coisa de ser humano. Ela não contém nada que pressupõe um lugar na direita, esquerda, traseira ou dianteira do Pai.


Se Jesus nascesse e vivesse com ser humano novamente, levaria muito mais tempo para expulsar os fanfarrões dos templos. Ele iria encontrar muito mais facções perversas anunciando o reino segundo a cosmovisão desses fanfarrões. O caminho dele seria o mesmo. Andaria com os pecadores, injustiçados, incompreendidos, miseráveis, com os chamados “escórias da sociedade”, com “os mentes e corações” abertos, com os que não adoram o regimento interno, com os que não conseguem tranqüilizar a mente inquieta, cheia dores e preocupações, com os que mal se sustentam em pé, com os aqueles que são motivos para serem apedrejados por causa da chamada “santa doutrina”, com os que choram e gemem, com os que estão presos, com os que estão em prisão psicológica, com os que são perturbados, com aqueles que lhe são tirados a paz, com aqueles que lhe são tirados o privilégio de realizar algo que alegra a Deus pelos clérigos evangélicos, com os que são silenciados por dizerem a verdade com veemência e sem titubeio, com os que são proibidos de cantar, tocar ou compor lindas melodias, harmonias e ritmos por causa da ditadura cristã ou por falta de afinidade doutrinária, com os que são ludibriados, com os doentes da alma e do corpo e com todo aquele que não quer sair dos pés de Cristo, mesmo estando mal cheirosos e carregados de pecados.

Minha oração é que Deus transforme o que é sintético em orgânico para que o sangue Dele venha robustecer todo o corpo.

Corpo Universal!

Amém e abraços.

4 comentários:

demasiado.humano disse...

que oração o que, seu ateuzinho de merda.

Moisés Lourenço Gomes disse...

Humanista de merda! rs

Continue me lendo, mendigo do peito! rs

e-JC disse...

Muito bom texto!!!


Ronald

SONIA disse...

Passeando por aí,encontreia porta aberta...entrei.
Parabéns pelo texto e pelo blog.
Ameiii...!!!
Assino embaixo.
bjss...milll...